MEUS VÔOS

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Meu Querer




















Morta, adormecida, durante anos.
Os desejos foram meu sonhar,
O tempo, austero em meus planos,
Vida que saiu do pensamento a migrar...

Desenhei seu rosto em minha poesia,
Num faz de conta, banhei meu prazer
Desmontei o sol, a alma vazia
Quando vi, você já era meu querer.

Na amplidão do meu deserto sem fim,
Encontrei o oásis, a tristeza foi banida
O coração a perscrutar meus segredos

Serei aquela estrela brilhante
Em sua janela, a clarear seus sonhos.
Depois farei rastro, e partirei distante.

Mérci

3 comentários:

Mario Ferrari disse...

é lindo!

"Serei aquela estrela brilhante
Em sua janela, a clarear seus sonhos.
Depois farei rastro, e partirei distante."

MAs para mim é muito triste também.
Um especial abraço
Mario

Loucopoeta disse...

...

Teu querer...

Em teu "querer", eu me deleito
Clareando meus sonhos, sonhados
Por entre poemas, já versados
Na poesia sentida de teu peito!

Poesia de amor, que eu sou feito
Amor tão puro, que vem delicado
Por esse teu "querer", sou achado
Querer que no desejo estou sujeito!

Mas só me resta no doer, imaginar
Todo este tanto "querer" desejar
E sentir em mim a parte desejada,

Na vontade de "querer" alcançar
Esse teu "querer" que me faz amar
A alma que a minha a tem amada!


Loucopoeta
©direitos reservados

E nesse "Meu Querer"...
Me delicio simplesmente...
Bebendo a poesia...
Que corre na tua veia poética...

Bjinho...do Louco!

...

Fátima disse...

"Desenhei seu rosto em minha poesia,
Num faz de conta, banhei meu prazer..."

Que maravilha de versos!!!
Parabéns por tanta beleza!
Bj

Fá Martins