MEUS VÔOS

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Quietude



Entrar nos teus sonhos, despertar-te do sono
Povoar teus dias, e de mansinho,
Deixar que a luz entre ao alvorecer.
Ficar quieta, deixar esta luz passar por dentro de mim.
Correr no teu peito como dócil potro,

ao som e ao compasso do teu coração.
Deixar que tu sejas riacho,
que corre para amainar
A sede do meu corpo.
E assim, teu corpo sobre o meu se estende
Derramando sombra sobre o chão em brasa.
A água em minha boca, veio para matar a sede que o tempo deixou.
Rendida e absorta, no tempo perdida eu quero ficar
No instante exato, no momento mágico de inteira me dar.
Mérci

2 comentários:

Loucopoeta disse...

...

Fico pensando
Em tua "Quietude"...
Fico admirando
Tua ousadia...

Sentindo em ti
Tão quente juventude...
Calor que em mim
Tanto queria!

Sonho
De um "Louco"
Na mais
Pura fantasia!

Loucopoeta

(Nesta deslumbrante "quietude"
Apenas te digo :
- Meu coração, não está quieto...
Você mexe, com ele! )

Abraço apertado...

...

Mario Ferrari disse...

Feliz de quem provoca essa doce quietude...

Um grande beijo, menina.
Mario