MEUS VÔOS

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010


poema de Mario Ferrari

A Praia

Navego no tempo qual ser estranho,
Homem faminto de quereres...
A água à toa da vida no olhar perdido
Ainda atiça meus desejos,
Ainda sustem minha nau de tantos não-rumos.
Da hora em que vim, ignaro de dores e cansaços à essa luz,
E tomei para mim o leme inútil de meu barco,
Entendi apenas que não importam os portos
Mas sim o oceano-tempo por onde vou inteiro,
A viver sem remorsos cada gota das águas que me cabem.
Navega, corpo meu cansado,
Singra as ondas que o deus do nevoeiro
Pôs à tua volta nesse mar de distâncias.
Haverá um porto no fim da jornada
Para a alma teimosa que carregas:
Uma ilha nua na pele de uma indizível mulher
Onde hei de me desfazer de quem sou
Do que fui, do que vi, do que fiz
E mesmo em meio ao medo e ao espanto,
Consentir e esquecer.









3 comentários:

Mérci disse...

O amor em qualquer circunstância é lindo demais.
Você é o amor em todas as formas!

Lindíssimo poema!

Mario Ferrari disse...

Todo meu carinho para você, menina.

非凡 disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^