MEUS VÔOS

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010


Contra a Maré


Sou um estranho amor
Mais que ilusão
Menos que paixão
Sou contrária a tudo o que é normal.
Quando devo esconder, exponho-me
Quando querem que eu me vista, me desnudo.
Quando querem que eu grite, me calo.
Invento-me, inverto-me
E vivo às avessas.
Procuro sorrisos
E às vezes
Olhares que domam meus afetos.
Na solidão dos meus passos,
Sinto um louco querer
Um deleite.
Sorvo-me por inteira
Faço planos
Giro em volta da vida
E até rio disso.
Mas no fundo me encontro...
A abandonar o que esperava
Para buscar o que não veio.


(Mérci Benício Louro).

Um comentário:

Iara disse...

Amiga...como sempre....seus poemas são maravilhosos!!!!!!!